CUT NACIONAL vai até o Sertão Central do Ceará se solidarizar com vítimas da Terceirização Sem Limites



Os Agentes de Limpeza Pública de Quixadá, estado do Ceará, entraram em greve nesta quinta (25/09) tendo em vista as mazelas da Terceirização Sem Limites que leva à Precarização dos Serviços Públicos. A cidade, cartão-postal do Sertão Central cearense conhecida por suas gigantescas pedras, está entregue ao lixo. O acúmulo de sujeira na rua é resultado da paralisação das atividades dos garis que estão há quase dois meses sem receber salários.

Graça Costa (Secretária de Relações do Trabalho da CUT Nacional) que tem empreendido uma luta nacional contra a Terceirização esteve presente na grande caminhada pelas ruas da cidade protestando contra o silêncio da Administração Municipal e da Empresa de Limpeza Pública terceirizada.

Segundo a Dirigente Nacional "os garis estão passando fome. O SINDSEP juntamente com a FETAMCE se solidaram e doaram cestas básicas como medida paliativa. Salários atrasados não se concebem mais nível de lutas e conquistas na atualidade. Enquanto estamos avançando na luta por mais direitos, Quixadá volta ao passado, um retrocesso sem limites. Pagamento de Salário Mínimo é fato. Não podemos estar lutando pelo básico de novo. Uma vergonha esse tipo de descaso público. A população de Quixadá não merece isso!" aponta Graça Costa.

Ao sair pelas ruas da cidade os Garis de Quixadá receberam apoio da população que compreendia que os garis merecem respeito e que o trabalho deles é essencial para o equilíbrio ambiental da cidade. Todavia, sem salário não se pode trabalhar.

Ao chegarem à Câmara Municipal, dirigentes do SINDSEP e Garis adentraram à sessão legislativa que acontecia no momento e Neiva Esteves pôde expor a situação da categoria.

"Os garis de Quixadá estão aqui para pedir que cada vereador e vereadora se solidarize com essa classe que está sofrendo. Falta comida para suas famílias", pontuou Neiva Esteves (Presidenta do SINDSEP).

O gari Evandro foi à tribuna da Câmara Municipal de Quixadá e disse que ele seus companheiros estão sofrendo muito. E acrescentou: "Nós não somos lixo. Somos trabalhadores. A gente quer salário para sobreviver. Não tem condição da gente ficar assim. Meu filho pergunta se não tem almoço e aí eu digo: meu filo tô esperando me pagarem pra comprar comida."

Importante dizer que além dos garis, os Agentes de Trânsito e Servidores(as) do Desenvolvimento Social estão sem receber salário.

Como encaminhamento da paralisação, uma comissão formada com garis, dirigentes do SINDSEP e representantes da câmara tentará ser recebida pelo Prefeito de Quixadá. O presidente da Câmara se comprometeu em contactar o Prefeito para uma reabertura de negociação.










Postagens mais visitadas deste blog

Janeiro Branco