Programa SINDSEP em Ação e os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher






Tradicionalmente, o Programa SINDSEP em Ação, celebra as ações de fomento aps 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher. É um momento importante para através da rádio alcançar muitas pessoas e conscientiz-alas a endossar essa luta.

Junta-se ao 16 Dias outras datas importantes, nacional e locais, que vislumbram o debate contra qualquer tipo de preconceito, especialmente contra a mulher e contra negros.

Convidamos pessoas ligadas à luta das mulheres e que são líderes, intelectauis e ativistas engajados nesse movimento: Késsya Nara (Unicatólica); Ozaneide de Paula (Sindicalista); Ana Eugênia (Quilombolas).


HISTÓRICO

CAMPANHA DOS 16 DIAS DE ATIVISMO PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES: 17 DE NOVEMBRO A 10 DE DEZEMBRO




17 DE NOVEMBRO – QUIXADÁ COMEMORA O DIA DA MULHER QUIXADAENSE Novembro marca início dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher, uma campanha mundial que abrange datas como o Dia da Consciência Negra (20 de novembro), o Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher (25), o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres (6 de dezembro) e o Dia Internacional dos Direitos Humanos (10 de dezembro). A intenção é promover o debate e denunciar especialmente a violência contra mulheres e a população negra.

Em Quixadá, as ações pelo fim da violência começa um pouco antes, isso porque hoje, 17 de novembro, dia do aniversário da escritora a Rachel de Queiroz, (17/11/1910 - se fosse viva estaria completando 107 anos). Em razão do seu centenário no ano de 2010, a vereadora Edi Leal, institui a data de 17 de novembro como o Dia da Mulher Quixadense.

Rachel de Queiroz foi uma tradutora, romancista, escritora, jornalista, cronista e importante dramaturga brasileira. Autora de destaque na ficção social nordestina. Foi a primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras.

20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra, com a finalidade de chamar a atenção para a situação das mulheres negras que além da violência de gênero sofrem a violência racial. Instituído em 1978, o Dia Nacional da Consciência Negra lembra a inserção do negro na sociedade brasileira e sua luta contra a escravidão. A data refere-se ao 20 de novembro de 1965, dia do assassinato de Zumbi de Palmares, ícone da resistência negra ao escravismo e da luta pela liberdade.

25 de novembro – Dia Internacional da Não-Violência contra as Mulheres. Homenagem às irmãs Mirabal, opositoras da ditadura de Rafael Leônidas Trujillo, na República Dominicana. Minerva, Pátria e Maria Tereza, conhecidas como “Las Mariposas”, foram brutalmente assassinadas no dia 25 de novembro de 1960.

Postagens mais visitadas deste blog

Janeiro Branco

Graça Costa, do SINDSEP de Quixadá (CE), é eleita Secretária Nacional de Organização Sindical da CUT